Artigos

Professor, está a cuidar da sua voz?

A voz é o instrumento de trabalho dos docentes, profissionais que devem possuir uma resistência vocal elevada para resistirem às exigências comunicativas, acústicas e emocionais da profissão. A rotina de trabalho destes profissionais, associada a um ritmo acelerado e a uma grande responsabilidade, torna-se fatigante, quer física, quer mentalmente e leva ao aparecimento de fatores de stress. Por outro lado, os maus hábitos vocais repetidos são responsáveis pelas queixas vocais, cada vez mais comuns nesta classe profissional, e estas poderão indicar a presença de patologias laríngeas.

As alterações vocais afetam a vida a nível pessoal, social e profissional gerando angústia, ansiedade e afetando a qualidade de vida dos sujeitos. No contexto da promoção da saúde vocal, com o objetivo de melhorar a saúde dos indivíduos através da capacitação dos mesmos, ensinando-os a saber agir, o estudo da qualidade de vida e voz dos docentes torna-se importante, tal como a intervenção e a consciencialização dos mesmos acerca da importância da voz.

Desta forma considero bastante importante e pertinente a divulgação do guia “Bem-estar vocal: uma nova perspectiva de cuidar da voz”, um material inicialmente desenvolvido em português brasileiro e agora adaptado ao português europeu.

Este guia faz parte de uma das ações do Programa de Saúde Vocal do SinproSP, que há vários anos tem como objetivo reduzir o risco vocal dos professores, e esclarece aspetos importantes sobre a produção vocal, relação do corpo com a voz e da voz com o ambiente, em linguagem simples e afetiva.

O material está disponível on-line:
http://www.spzn.pt/uploads/documentos/documento_1496782869_3785.pdf

Boas leituras!


Isabel Neves
Terapeuta da Fala (Cédula profissional C- 046910174)

Programa de Hidratação – Reeducação Vocal

Se não existirem problemas de saúde que o justifiquem, o grau de hidratação corporal pode estar relacionado com os hábitos de vida, com a qualidade do meio ambiente e com a atividade desenvolvida no dia-a-dia.

Para a diminuição do risco de desidratação sugere-se que evite:

  • A permanência em locais poluídos e mal arejados. Os fungos e os bolores podem ser agressivos para as mucosas, favorecendo a hipótese de laringite. A exposição a tabaco ou a outros poluentes provoca, também, a diminuição da mobilidade ciliar do nariz e dos seios, promovendo o desenvolvimento de sinusite;
  • O consumo de bebidas com cafeína e álcool porque, além de atuarem como diuréticos, produzem um efeito excitante, resultando em alterações neurovegetativas. Para além disso, o álcool cria irritação da mucosa faríngea e é um fator de risco no cancro da laringe. Em grande quantidade altera, também, a precisão articulatória, habitualmente designada por “fala empastada”;
  • Evitar as bebidas gaseificadas, principalmente em situações de queixas gastroesofágicas;
  • O consumo de comidas demasiado condimentadas e gordurosas pois, para além da desidratação, podem provocar perturbações gástricas como a azia. Os alimentos gordos e proteicos demoram pelo menos 3 a 4 horas a serem digeridos, ao contrário dos hidrocarbonatos. A concentração normal de glucose no sangue é essencial para uma atividade energética forte, como é o caso de falar sem parar durante pelo menos uma hora para um grande grupo;
  • Pastilhas ou gargarejos com substâncias químicas que contêm álcool porque provocam desidratação e alteram, consequentemente, a saúde das mucosas oral e faríngea;
  • Os barbitúricos e tranquilizantes, uma vez que, para além da desidratação, atuam como depressores do sistema nervoso central.

Se tivermos em atenção estes pontos-chave e os aplicarmos no nosso dia-a-dia, estaremos a contribuir para uma melhoria da nossa saúde vocal.

Bibliografia: Guimarães, I. (2007). A ciência e a arte da voz humana. Alcabideche: ESSA – Escola Superior de Saúde de Alcoitão.


Isabel Neves
Terapeuta da Fala (Cédula profissional C- 046910174)