Artigos

Imagem1

O poder da comunicação

É através da comunicação que nos relacionamos, trocamos experiências, ideias, sentimentos e informações, modificando mutuamente a sociedade onde estamos inseridos.

Trata-se de uma necessidade básica que implica seis elementos-chave: o emissor (quem emite a mensagem); recetor (quem recebe a mensagem); código (a maneira pela qual a mensagem se organiza, por exemplo, através da escrita); canal (meio físico ou virtual que assegura a passagem da mensagem); mensagem; e referente (contexto).

Quando ocorrem obstáculos na comunicação podemos ter como consequências o risco de exclusão, a afetação da interação social e menos oportunidades para vivenciar situações de aprendizagem.

Uma parte da nossa população é incapaz de falar ou a sua fala não é suficiente para preencher todas as funções comunicativas. A esta dificuldade podem estar associadas outras alterações, como a deficiência motora, cognitiva, autismo, atraso do desenvolvimento da linguagem e outras perturbações da linguagem adquiridas ou não durante o desenvolvimento.

Quando as perturbações da linguagem e comunicação têm um grande impacto no dia-a-dia, é necessário consciencializar para a utilização de Sistemas Alternativos ou Aumentativos de Comunicação.

No fundo, a Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA) destina-se a pessoas sem fala ou sem escrita funcional ou que tenham um desfasamento entre a necessidade de comunicar e a sua capacidade de falar e/ou escrever.

Os Sistemas Alternativos ou Aumentativos de Comunicação (SAAC) incluem um conjunto de técnicas, ajudas, estratégias e capacidades que permitem que a pessoa com dificuldades de comunicação seja capaz comunicar de forma funcional: gestos, expressões faciais, vocalizações, ajudas para a conversação e escrita.

Nas consultas de Terapia da Fala, é definido o melhor SAAC para o utente, após uma recolha de dados na anamnese e de uma avaliação adequada, tendo em vista maximizar a sua capacidade comunicativa.

Nas consultas desta área terapêutica é também importante o envolvimento dos familiares do utente com dificuldades na comunicação visto que, assim, favorecemos o canal de comunicação entre ambos.

Não me alongando mais, despeço-me com esta breve mensagem em jeito de reflexão:

“Se perdesse todas as minhas capacidades, todas elas menos uma, escolheria ficar com a capacidade para comunicar, porque com ela depressa recuperaria tudo o resto…” (Daniel Webster)

A Terapeuta da Fala,

marco
Isabel Neves
Terapeuta da Fala (Cédula profissional C- 046910174)

T21

“Trissomia 21… o amor não conta cromossomas”

A Trissomia 21 é uma patologia congénita que causa um atraso no desenvolvimento físico e intelectual, podendo aparecer em qualquer família, em pais de qualquer faixa etária, raça, religião ou estatuto social.

 

A sua etiologia está relacionada com uma alteração cromossómica que faz com que exista um cromossoma 21 a mais – Trissomia 21. Os cromossomas são partículas microscópicas das células do nosso corpo que transportam toda a informação das características que temos. O cariótipo humano é constituído por 46 cromossomas dos quais metade são transmitidos pela mãe e, a outra metade, pelo pai. No processo de fecundação há então uma alteração, onde surge um cromossoma 21 a mais, perfazendo um total de 47 cromossomas.

 

As pessoas portadoras desta síndrome, geralmente, apresentam as seguintes características:

 

  • Olhos com posição oblíqua
  • Cara redonda
  • Protrusão da língua
  • Atraso na erupção dentária
  • Mandíbula pequena
  • Pescoço curto
  • Hipotonia muscular
  • Orelhas pequenas
  • Mãos e pés largos com dedos curtos
  • Espaço entre o 1º e 2º dedo
  • Pele cianosada
  • Baixa estatura
  • Dificuldades na discriminação visual e auditiva;
  • Dificuldades no reconhecimento tátil em geral e de objetos a três dimensões;
  • Dificuldades na cópia e reprodução de figuras geométricas;
  • Dificuldades na rapidez percetiva;
  • Dificuldades ao nível da comunicação, linguagem e fala.

A dificuldade em comunicar afeta as pessoas em todas as situações da vida em qualquer idade. Para uma criança no período pré-verbal, as dificuldades de comunicação afetam não só a interação com as pessoas que cuidam dela bem como dificultam o processo de socialização natural.

Normalmente, as crianças com trissomia 21 apresentam dificuldades na compreensão e expressão, sendo ainda assim melhores na primeira.
Esta lentidão para perceber, processar e elaborar respostas face a estímulos externos, implica que necessitem de mais tempo. Este desenvolvimento deficitário relacionado com as capacidades cognitivas gerais observa-se também ao nível das capacidades de comunicação não-verbal pré-linguísticas, tais como: o contacto visual, a  direção do olhar ou o apontar.
Ao nível da Expressão, estas crianças são frequentemente afetadas por dificuldades respiratórias, perturbações fonatórias, perturbações da audição e perturbações articulatórias.
Daí a importância da intervenção precoce no sentido de estimular as capacidades pré-linguísticas com vista a minimizar o atraso da comunicação, linguagem e fala encontradas nestas crianças, em diferentes graus de severidade.

São vários os estudos que referem como metodologia de intervenção precoce, a utilização do gesto em simultâneo com a fala. Pois a combinação destes dois sistemas irá facilitar o desenvolvimento da comunicação. Ajuda a criança a progredir na linguagem, ainda que não esteja pronta para utilizar a fala, e ajuda a ultrapassar a sua frustração de não se fazer compreender.


Quando os pais recebem a notícia de que o seu filho é portador de trissomia 21, reconhecem os traços visíveis característicos, mas logo surge a pergunta “Como será o futuro do meu filho?”. Esta é a dúvida que muitas das famílias têm e que, por vezes, no meio do luto da “criança perfeita”, temem a resposta. Ora espreite o vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=fIK5st2s3kA

 

A Terapeuta da Fala,

Isabel Neves
marco
Isabel Neves
Terapeuta da Fala (Cédula profissional C- 046910174)

psychology-2706902_1920

O poder das palavras!

Se eu lhe disser que determinadas palavras têm determinados efeitos na nossa mente e corpo, você acredita?

Pode parecer estranho, mas, na verdade, nós reagimos, continuamente, aos estímulos que nos rodeiam e as palavras são um dos mais fortes estímulos, capazes de mudar a nossa disposição, ânimo ou energia.

Na essência disto está o facto da nossa mente procurar, em nosso redor, elementos que nos ajudem a compreender melhor o mundo em que vivemos, aqueles com quem nos relacionamos, e até mesmo a entender melhor a nossa maneira de ser. Assim, podemos ver a nossa mente como uma entidade que procura de modo ativo e permanente uma interpretação do que vê, sente, ouve ou perceciona.

As palavras são elementos da comunicação muito importantes e encerram em si, significados fundamentais por associação a experiências vividas. Por exemplo, alguém que esteja num processo de luto é natural que se sinta mais ativada por palavras relacionadas com a morte ou perda. Alguém que acabou de ser mãe ou pai é, habitualmente, mais ativado por palavras que se relacionam com a parentalidade, o nascimento, a conceção.

Ora, a capacidade de diferentes palavras nos remeterem para diferentes experiências leva-nos à expressão de determinadas emoções, tanto positivas como negativas. Este processo é comum e trata-se de um condicionamento, isto é, uma aprendizagem estabelecida entre uma vivência e uma semântica que remete para essa vivência. Este processo nada tem de atípico pois traduz uma forma de funcionamento mental caraterística de todos os seres humanos.

Mas (e há sempre um mas!), nem sempre este processo é saudável e, não raras vezes, pode tornar-se patológico na medida em que determinadas palavras com pendor mais negativo, tendem a ser sobrevalorizadas, remetendo o indivíduo para um estado de maior desânimo e angústia. Por exemplo, alguém que diga, com frequência, “eu não sou capaz”, vai integrar no seu inconsciente essa convicção de incompetência e incapacidade, reforçando um pensamento negativo que se reflete numa atitude derrotista e de desmotivação. Ao invés, um indivíduo que diga “sei que posso fazer melhor, e fá-lo-ei no futuro!”, vai fortalecer a crença de que tem competência e potencial para melhorar, alimentando uma convicção positiva e de persistência.

Em terapia, é fundamental analisar a narrativa dos pacientes, uma vez que, frequentemente, se encontra um padrão de palavras ou expressões que espelham mensagens que a sua mente tem integradas e que podem ser parte do problema que os traz à consulta.

Nesses casos, parte da intervenção passa pela mudança dos padrões comunicacionais com o incremento de novas palavras mais positivas, em substituição de anteriores expressões negativas e perpetuadoras de mal-estar.

O mundo da comunicação é fascinante e reflete o que vai na nossa mente!

Um forte abraço.

marco
Marco Martins Bento
(psicólogo clínico e psicoterapeuta)