Descrição

A Hipnose e Hipnoterapia para fins terapêuticos.

Hipnose é um estado modificado  de consciência ampliada, tendo como efeito uma alteração das capacidades sensoriais e motoras para iniciar um comportamento apropriado e onde se permanece acordado todo o tempo, experimentando sensações, sentimentos, talvez tendo imagens, regressões, analgesias, anestesias e outros fenómenos hipnóticos enquanto se está neste estado. Ficamos  mais internos, mais focados, mais acordados. Durante o transe, vamos desligando das perceções externas e temos uma grande atividade interna, sem perder o  estado de alerta.

Os fenómenos hipnóticos variam de intensidade ou profundidade. Cada transe hipnótico é único!

Os fenómenos hipnóticos mais comuns são:

*Rapport *Catalepsia *Amnésia *Anestesia *Analgesia *Regressão *Progressão *Alucinações positivas *Alucinações negativas.

O uso de Hipnose para fins terapêuticos é conhecido como Hipnoterapia.

Hipnoterapia é o uso terapêutico da Hipnose, ou o tratamento de uma doença com o uso de técnicas hipnóticas. É uma espécie de psicoterapia, que facilita a sugestão, a reeducação ou a análise por meio da Hipnose. O profissional que exerce Hipnose chama-se Hipnoterapeuta. A Hipnose, além de na Medicina, é utilizada também na Odontologia, na Psicologia, na Fisioterapia, na Enfermagem e outras profissões de saúde.

Áreas de Atuação
Modalidades de Consulta

Individual

Terapia em Grupo

Presencial

Destinatários

Público em geral:

Adultos, Adolescentes, Crianças e Idosos.

Terapeuta

Perguntas Frequentes

O que é a Hipnoterapia Clínica?

A Hipnoterapia Clínica é uma abordagem terapêutica que utiliza a hipnose como forma de regredir até à fonte ou origem do comportamento que o paciente deseja alterar, ou seja, ter acesso às memórias que todos guardamos no subconsciente, e que determinam os nossos comportamentos atuais.
A hipnoterapia é uma técnica segura e eficaz, que é cada vez mais utilizada na área da saúde.

A Hipnoterapia apresenta riscos?

A hipnoterapia não apresenta qualquer risco. Existem conceitos errados relativamente à hipnose, que importa esclarecer. A pessoa que se submete à hipnose tem sempre o controlo do que se passa, está sempre acordada e consciente, apesar de muito relaxada. Não dirá nada que não queira dizer e recorda-se de tudo o que se passou na sessão.
No entanto, pessoas que tenham consumido drogas ou álcool ou que apresentem distúrbios mentais não devem ser submetidas à hipnose por poderem confundir a realidade com memórias já vividas.

A hipnose funciona em todos os casos?

Todas as pessoas podem ter resultados benéficos, desde que queiram ser hipnotizadas. Por vezes, as pessoas com um elevado estado de ansiedade necessitam de mais tempo para confiarem no terapeuta e começarem, finalmente, a relaxar.

Quem pode recorrer à hipnose?

Todas as pessoas, desde que não tenham consumido álcool ou drogas ou sejam doentes mentais. As crianças a partir de cerca de
10 anos respondem muito bem à hipnose. No entanto, há hipnoterapeutas que se dedicam a trabalhar com crianças de idades mais precoces.

O paciente fica dependente desta terapia ou fica “curado” de vez?

O objectivo é que rapidamente a pessoa possa evoluir e deixar de ter o sintoma que apresentava. As memórias que foram tratadas estão definitivamente tratadas. Não há nenhum tipo de dependência e trabalha-se para uma rápida melhoria do paciente.

Qual a taxa de sucesso associada a esta terapia?

Há diversos estudos sobre a eficácia desta abordagem, todas apontando num elevado nível de sucesso e, mais importante ainda, por perdurarem os resultados. Um estudo realizado e publicado na American Health Magazine pelo Psicólogo e Ph.D Alfred A. Barrios, sobre a recuperação de pacientes com depressão em diferentes técnicas, conclui:
“Psicanálise 38% de recuperação após 600 sessões; Terapia comportamental 72% de recuperação após 22 sessões;
Hipnoterapia 93% de recuperação após 6 sessões.”

Quais os principais conselhos a quem vai recorrer a esta terapia pela primeira vez?

É importante recordar uma frase que todos conhecemos, à qual, por vezes, não damos o verdadeira importância. “Mente Sã em Corpo São”. Ou seja, quanto mais valorizarmos o nosso equilíbrio emocional, mais saudáveis ficamos fisica e emocionalmente.
Para além disso, recorrer à hipnoterapia é ficarmos a conhecer a riqueza do nosso mundo interior e, ao explorá-la e ao apaziguar as nossas mágoas, estamos no caminho para uma vida mais traquila e feliz.

A hipnose é perigosa?

Não. O estado de profundo relaxamento que a hipnose provoca traz uma sensação de bem-estar que resulta da obtenção do equilíbrio fisiológico. É utilizada não apenas para conhecer vidas passadas mas também para a redução do stress, tratamento de fobias, dores crónicas, ansiedade, depressão, doenças psicossomáticas, entro muitas outras. Muitos dizem ter medo de perder o controlo ao serem hipnotizados, ou ficarem em “poder” do hipnotizador – nada mais falso. Não é possível ser hipnotizado se não quiser. Toda hipnose é uma auto-hipnose. O hipnotizador só conduz o processo, é um instrumento para auxiliar a obter um relaxamento mais profundo.

Quando estou em transe fico inconsciente?

Não, fica num estado ampliado de consciência, ou seja, num estado focalizado de atenção, que permite aceder à mente inconsciente onde se encontram todas a memórias.

Pode acontecer não voltar do transe?

Se eventualmente, por estar num transe mais profundo, a paciente não aceitar a sugestão de voltar imediatamente, basta deixá-la mais algum tempo, e naturalmente, o transe hipnótico se transforma em sono fisiológico e ela acorda.