Artigos

Os 5 Cuidados Essenciais para a Saúde da Mulher

 

O Dia Internacional da Saúde Feminina é celebrado a 28 de maio.

Este dia visa alertar a população para a desigualdade entre mulheres e homens no acesso aos cuidados de saúde e promover ações de sensibilização para a importância da saúde feminina e do devido acompanhamento médico a todas as mulheres. Sendo algumas patologias exclusivas da mulher, este dia chama também a atenção para sintomas e doenças especiais do sexo feminino e para a necessidade de uma higiene diária cuidada.

Independentemente da idade, a mulher precisa de ter cuidados essenciais à saúde, e desta forma contribuir para garantir a sua qualidade de vida.

 

5 Cuidados essenciais para a saúde da mulher:

 

 

1 – Manter uma alimentação saudável

 

Desde os primeiros dias de vida, promover hábitos alimentares saudáveis, com a amamentação, sempre que possível, e posteriormente com uma alimentação equilibrada, traz benefícios à saúde. Resulta na redução de fatores de risco para doenças, como a obesidade e a hipercolesterolemia, além do bem-estar físico e mental.

 

2 – Cuidar da saúde mental

Identificar precocemente sintomas e procurar ajuda profissional pode ser decisivo para a resolução adequada e eficaz do problema ou da situação.
As mulheres, muitas vezes, ainda se encontram em condição de vulnerabilidade por ganharem menos, por serem menos valorizadas nas suas profissões, por terem menor acesso aos espaços de decisão no mundo político e económico, por sofrerem violência doméstica, física, sexual, psicológica e económica, por sofrerem negligência e abandono e por acumularem a sua profissão com o trabalho doméstico.

Nas mulheres idosas, há ainda a questão do isolamento social, da reforma, da viuvez, das alterações fisiológicas da menopausa, e da angústia provocada por uma sociedade que hipervaloriza a juventude em detrimento do envelhecimento feminino.

Sintomas de depressão, de ansiedade, insónia, stress e transtornos alimentares merecem atenção importante.

 

3 – Realizar exames de rastreio

 

O Sistema Nacional de Saúde tem programas de rastreio de Cancro do colo do útero e do Cancro da mama.

O rastreio do Cancro do colo do útero através da colheita de citologia, mais conhecida como o “exame de Papanicolau”, e o rastreio do Cancro da mama, através da mamografia e/ou ecografia mamária, conjuntamente com o exame clínico da mama.

Estas estratégias de Saúde Pública permitem o diagnóstico precoce destas doenças, beneficiando o seu prognóstico.

 

4 – Proteger-se contra DST/ fazer escolhas conscientes sobre métodos contraceptivos/ planear uma gravidez saudável

 

As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. Elas são transmitidas, principalmente, pelo contato sexual (oral, vaginal, anal) com uma pessoa infectada. A transmissão pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gravidez, o parto ou a amamentação.
O uso de preservativos masculino ou feminino é a melhor forma de as prevenir e poder vivenciar a sexualidade de forma segura.

Caso ocorra sexo sem preservativo, é importante procurar cuidados médicos para a mais correta orientação.

 

Existem diversos métodos contraceptivos para que as adolescentes e mulheres possam escolher a maneira mais confortável de planear quando, como e se vão querer ter filhos.  A melhor forma de poder fazer uma escolha informada é falar com o Médico Assistente (Clínico Geral ou Ginecologista) para que possa tomar conhecimento de todos os métodos que existem e quais os mais adequados à sua condição e aos seus objectivos.

 

O planeamento da gravidez é importante para a saúde das mulheres. Contribui para uma prática sexual mais saudável, possibilita o espaçamento dos nascimentos e a recuperação do organismo da mulher após o parto, melhorando assim as condições que ela tem para cuidar dos filhos e para realizar outras atividades.

O acompanhamento pré-natal assegura a vigilância da gravidez, com atitudes preventivas e intervenção terapêutica adequada em caso de necessidade, permitindo desta forma o parto de um recém-nascido saudável, sem impacto para a saúde materna.

A opção de não ter filhos também deve ser assegurada, e a abordagem nessa situação deve ser livre de preconceitos e crenças por parte dos profissionais de saúde.

 

5 – Procurar ajuda em caso de violência

 

A violência contra as mulheres afeta todas as classes sociais, raças, etnias, faixas etárias e orientações sexuais, e trata-se de uma grave violação dos Direitos Humanos, que limita a autonomia e a liberdade das mulheres.

As agredidas vivem situações de medo, pânico, baixa autoestima, ansiedade, angústia, humilhação, vergonha e culpa, perda da autonomia e, muitas vezes, fragilidade emocional. Tudo isto é terreno para surgirem quadros clínicos de depressão, ataques de pânico, ansiedade e distúrbios psicossomáticos, entre outros.

Em Portugal, o combate e a prevenção deste crime violento tem-se feito de forma estruturada: há redes nacionais de apoio às vítimas, salas de atendimento nas forças de segurança disseminadas por todo o território nacional e Planos Nacionais contra a violência doméstica.

O site da APAV – www.apav.pt tem informação exaustiva sobre esta temática.

O que a vítima deverá fazer em caso de violência doméstica:

» Manter, se possível, a calma;

» Na posse dos seus elementos de identificação (bilhete de identidade, passaporte ou outro) deve dirigir-se a uma esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP), posto da Guarda Nacional Republicana (GNR), piquete da Polícia Judiciária (PJ) ou directamente junto dos Serviços do Ministério Público para apresentar queixa criminal e exigir um documento comprovativo da queixa ou denúncia efectuada;

» Pode igualmente apresentar queixa por via electrónica – Ministério da Administração Interna.

Retirado de www.apav.pt

 

 

Dr.ª Maria Miguel Ribeiro

Médica

Dia Nacional da Luta Contra a Obesidade

 

Nos últimos tempos a obesidade apresenta-se como uma das principais epidemiologias presentes na sociedade moderna. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) é uma doença crónica que constitui um problema grave para a saúde pública, sendo a sua prevalência em crianças e adolescentes. Esta prevalência tem vindo a aumentar ano após ano.

 

A OMS diz que um em cada dez rapazes de 11 anos é obeso e com maior probabilidade de contrair diabetes tipo 2, asma, problemas de sono, problemas músculo-esqueléticos e doenças cardíacas, além de dificuldades na escola, problemas psicológicos e isolamento social.

 

Portugal é dos países europeus com mais excesso de peso infantil. Estima-se que em 2021 a obesidade afete 21% dos portugueses e 22% das portuguesas, valores que sobem em 2030 para 27% e 26% em ambos os sexos. Portugal está entre os países com piores indicadores de saúde: aos 11 anos, 32% das crianças têm peso a mais. A médio prazo é expectável que 30% a 50% das crianças se tornem obesas na idade adulta. A faixa etária não pode ser desvalorizada, quando falamos de obesidade. Com o envelhecimento da população, a prevalência da obesidade aumenta.

 

A obesidade, atualmente, é um dos fatores de risco com maior impacto em inúmeras patologias presentes na sociedade, nomeadamente, as doenças cardiovasculares: a doença das artérias coronárias, a insuficiência cardíaca, o enfarte do miocárdio, a disfunção ventricular, arritmias cardíacas, diabetes tipo II, alguns tipos de cancro, dislipidemia, entre muitas outras. Para além das doenças mencionadas, a obesidade também aumenta as complicações para a saúde, como por exemplo, uma perceção de bem-estar e qualidade de vida debilitada.

 

O sofrimento psicológico é um dos efeitos mais preocupantes que a obesidade manifesta, principalmente na adolescência devido as transformações biopsicossociais desta fase de desenvolvimento, sendo determinante no aparecimento de perturbações que podem afetar uma vida. Estas perturbações incluem as de natureza emocional, como a depressão e ansiedade, frequentemente associadas à ingestão excessiva de alimentos, automutilações e tentativas de suicídios, comportamentos de risco ao nível do abuso de substâncias e do comportamento alimentar, como sejam dietas altamente restritivas, bulimia e fraca qualidade de vida.

 

É preciso intervir o quanto antes para lutarmos contra esta epidemia e sensibilizar para todos os problemas associados à obesidade e excesso de peso, entre os quais se destacam as doençascardiovasculares e diabetes mellitus. Entre as principais causas para os elevados níveis de obesidade estão maus hábitos alimentares, pouca atividade física e comportamentos sedentários.

 

Assim, a alimentação e o exercício físico são primordiais na resolução de problemas como a obesidade, independentemente da idade. Por isso é importante pensar seriamente nestas duas questões e fazer alguma coisa para promovermos a saúde pública.

 

É necessário intervir com equipas multidisciplinares no âmbito da modificação comportamental, do aconselhamento nutricional e da prática de atividade física e exercício físico. É necessário adotar um estilo de vida saudável, para além da perda de peso, onde por si só trará inúmeros benefícios para a saúde e para o bem-estar individual.

 

Só com este acompanhamento conseguimos intervir em todas as áreas fulcrais da saúde sendo necessário definir metas razoáveis e reais a longo prazo para que esta doença deixe de ser crónica e consigamos ter uma vida mais saudável.

 

 

Dr. Rúben Pinheiro

Nutricionista

(C.P. 3248N.)

 

Dia Europeu da Alimentação e da Cozinha Saudáveis

Abacate, Tábua, Cozinha, Ovos, Alimentos, Frigideira

 

O dia 8 de novembro foi escolhido pela Comissão Europeia para assinalar o Dia Europeu da Alimentação e da Cozinha Saudáveis.

Esta é mais uma iniciativa integrada numa campanha de combate à obesidade nos Estados-Membros da União Europeia.

A designação escolhida para este dia é muito apropriada, porque a nossa alimentação é diretamente influenciada pela forma como cozinhamos os alimentos. Não se pode falar de alimentação saudável, sem uma arte de cozinhar assente em princípios também eles saudáveis.

Num país como Portugal, onde o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é ainda a primeira causa de mortalidade, relembramos uma vez mais os seus fatores de risco: a hipertensão arterial, a fibrilhação auricular, a diabetes, a obesidade, a dislipidemia, o sedentarismo, o tabagismo, entre outros.

A grande maioria destes fatores de risco é modificável pelos hábitos e estilos de vida dos portugueses, sendo elevado o impacto positivo da alimentação e da atividade física na saúde.

A Dieta Mediterrânica que integra a lista do património imaterial da UNESCO salvaguarda um conjunto de princípios orientadores em matéria de alimentação, que mais do que promotor de saúde, é património cultural e identitário do nosso país.

De forma resumida, segue se seguida um conjunto de orientações simples para uma alimentação e cozinha mais saudáveis, para um Portugal com mais saúde e menos AVC.

 

Mais:

– Mais água

– Mais fruta

– Mais hortícolas (mais sopa)

– Mais cereais integrais (arroz, massa, pão, entre outros)

– Mais produtos vegetais da época (respeitar a sazonalidade)

– Mais produtos frescos de produção local

– Mais produtos lácteos com menos gordura

– Mais peixe

– Mais carnes brancas

– Mais azeite

– Mais cozidos e grelhados

– Mais ervas aromáticas e especiarias para tempero e confeção

– Mais refeições por dia, mas pequenas

– Mais pequenos-almoços ricos e completos

– Mais atividade física em “mais” ar livre

 

Menos:

– Menos sal e produtos salgados

– Menos açúcar e alimentos açucarados

– Menos bebidas alcoólicas

– Menos alimentos processados e pré-confecionados

– Menos fritos, assados e refogados com muita gordura

– Menos carne e gordura animal

– Menos quantidade de alimentos no prato (escolha um prato mais pequeno)

– Menos desperdício alimentar

– Menos atividades sedentárias

 

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)

Como a nutrição pode ajudar a combater o Coronavírus?

Os Coronavírus são uma família de vírus que tem causado o alarme da saúde mundial. E estes vírus podem causar doença no ser humano.

A infeção pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como doença mais grave, como pneumonia.

Contudo há hábitos simples que podem fazer toda a diferença.

O que comemos influencia a nossa saúde, reflete-se na imunidade, diminui as chances de ficar doente e ajuda na recuperação.

O sistema imunológico do nosso corpo tem uma série de reações bioquímicas que dependem de minerais específicos, vitaminas e aminoácidos.

Uma dieta pobre e incompleta pode não oferecer os nutrientes necessários e as células de defesa de nosso corpo acabam ficando menos eficientes.

Uma das maneiras de enriquecer a nossa dieta e o aporte de vitaminas e minerais essenciais ao nosso sistema imunológico é tomar chá diariamente.

Vamos destacar 2 tipos de chás que quando ingeridos no nosso dia-a-dia vão ajudar a resistir a este vírus da atualidade ou caso até tenhamos o COVID-19 possamos rapidamente combater todos os sintomas e restabelecer a nossa saúde.

O primeiro chá é o de limão.

Isto porque o limão, entre muitas propriedades ele protege o nosso organismo.

A composição do limão é rica em vitamina C, tiamina, riboflavina, fósforo, silício, cálcio e ferro.

Esses nutrientes são potenciais fortalecedores do sistema imunitário.

Logo, beber água com limão ajuda a proteger o corpo da ação de vírus e bactérias nocivos, como os que causam gripes e constipações.

O segundo chá é o de eucalipto.

O chá de eucalipto tem várias vantagens, considerando que o chá de eucalipto ajuda a resolver problemas respiratórios, e visto que a tosse ocorre devido a uma irritação das vias respiratórias, o seu consumo é aconselhado nesta situação, assim como em casos de rouquidão ou para baixar a febre.

Graças às propriedades antimicrobianas e anti-inflamatórias desta planta, o chá de eucalipto pode ajudar a inibir a reprodução e o desenvolvimento de bactérias, fungos e vírus como o caso do Covid-19. O seu consumo deve ser utilizado quer para tratamento quer para prevenção.

Uma dieta adequada e equilibrada preenche toda as necessidades nutricionais do nosso corpo, dando ao nosso organismo ferramentas para reparo, manutenção, realização dos processos vitais, crescimento e desenvolvimento.

Ela deve incluir energia e todos os nutrientes em quantidades apropriadas e em proporção entre si.

A falta de algum nutriente pode prejudicar todo o funcionamento adequado de processos vitais para nosso corpo.

Cuide da sua saúde, previna-se desde já melhorando a sua alimentação.

 

Autoria:
Rúben Pinheiro
Nutricionista

Refeições fora de casa – Saudável?

Comer fora de casa deixou de ser uma prática reservada às ocasiões especiais e tornou-se numa necessidade imposta pelo ritmo de vida atual. Seja uma refeição rápida num café, um almoço num restaurante ou no refeitório de uma escola, é cada vez maior o número de pessoas que faz refeições fora de casa.

Esta situação deve-se às mudanças do estilo de vida que decorrem de diferentes alterações ao nível social, económico e até cultural que se verificaram ao longo dos últimos anos.

Assim, existe uma procura condicionada pelo prazer em comer fora, em experimentar um novo restaurante ou fazer uma refeição num da nossa eleição e até, pela questão prática de não ter de preparar ou cozinhar algo em casa, seja por questões de tempo, paciência ou de gosto.
Por isso, o consumo fora de casa é hoje considerado um fator determinante nos hábitos alimentares estando, muitas vezes, associado a escolhas menos saudáveis e, consequentemente, a um risco aumentado para o excesso de peso e obesidade, a um estilo de vida sedentário e à ingestão excessiva de calorias diariamente.

Diversos estudos indicam que as refeições realizadas fora de casa são menos equilibradas, incluem grandes porções de alimentos, são mais energéticas, possuem elevados níveis de gordura total e gordura saturada e, contêm baixos níveis de fibra, cálcio e ferro.

Atualmente, os hábitos alimentares inadequados são o fator de risco que mais contribui para o total de anos de vida saudáveis perdidos pela população portuguesa e um dos mais sérios problemas de saúde publica.

Marque uma consulta com o nosso nutricionista e saiba como pode adquirir hábitos alimentares saudáveis, apesar do ritmo de vida acelerado.

 

O seu nutricionista,

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)

Regresso às Aulas

Uma alimentação saudável na idade escolar é determinante para um bom funcionamento físico e intelectual e para prevenir doenças associadas à má alimentação.

Na idade escolar, por as crianças se encontrarem em fase de crescimento e desenvolvimento, uma alimentação saudável é fundamental para um normal crescimento e desenvolvimento e para prevenir doenças associadas à má alimentação como, por exemplo, a obesidade, a anemia, o atraso de crescimento, a malnutrição ou a cárie dentária.

Com o regresso às aulas a aproximar-se, muitos pais ficam preocupados sobre como ajudar os seus filhos quando lhes preparam o dia alimentar.

Assim, tome nota das seguintes sugestões do nosso nutricionista:

  • Lave bem a fruta e coloque-a já cortada numa caixa;
  • Embale os alimentos separadamente;
  • Prefira as lancheiras ou marmitas térmicas para conservar a refrigeração dos alimentos durante mais tempo, nomeadamente os iogurtes;
  • Junte sempre uma garrafa de água ao lanche do seu filho;
  • Não só os lanches, mas também as restantes refeições devem ser equilibradas, completas e variadas seguindo as regras da alimentação saudável, baseando-se na Roda dos Alimentos.

Além da importância alimentar na vida da criança, não menos importante é o exercício físico. Aliar uma alimentação saudável a uma prática de atividade física moderada é fundamental, por todos os benefícios já conhecidos da prática de exercício físico. As crianças têm cada vez mais acesso a atividades sedentárias e a menos tempos letivos para a atividade física, o que para além de não favorecer o crescimento pode ser uma das causas para o desenvolvimento de excesso de peso ou obesidade, trazendo repercussões futuras à sua qualidade de vida, saúde e bem-estar.

 

O seu nutricionista,

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)

Dia Nacional da Luta Contra a Obesidade

Nos últimos tempos a obesidade apresenta-se como uma das principais epidemiologias presentes na sociedade moderna. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) é uma doença crónica que constitui um problema grave para a saúde pública, sendo a sua prevalência em crianças e adolescentes. Esta prevalência tem vindo a aumentar ano após ano.

A OMS diz que um em cada dez rapazes de 11 anos é obeso e com maior probabilidade de contrair diabetes tipo 2, asma, problemas de sono, problemas músculo-esqueléticos e doenças cardíacas, além de dificuldades na escola, problemas psicológicos e isolamento social.

Portugal é dos países europeus com mais excesso de peso infantil.

Estima-se que em 2020 a obesidade afete 21% dos portugueses e 22% das portuguesas, valores que sobem em 2030 para 27% e 26% em ambos os sexos. Portugal está entre os países com piores indicadores de saúde: aos 11 anos, 32% das crianças têm peso a mais. A médio prazo é expectável que 30% a 50% das crianças se tornem obesas na idade adulta. A faixa etária não pode ser desvalorizada, quando falamos de obesidade. Com o envelhecimento da população, a prevalência da obesidade aumenta.

 

A obesidade, atualmente, é um dos fatores de risco com maior impacto em inúmeras patologias presentes na sociedade, nomeadamente, as doenças cardiovasculares: a doença das artérias coronárias, a insuficiência cardíaca, o enfarte do miocárdio, a disfunção ventricular, arritmias cardíacas, diabetes tipo II, alguns tipos de cancro, dislipidemia, entre muitas outras. Para além das doenças mencionadas, a obesidade também aumenta as complicações para a saúde, como por exemplo, uma perceção de bem-estar e qualidade de vida debilitada.

O sofrimento psicológico é um dos efeitos mais preocupantes que a obesidade manifesta, principalmente na adolescência devido as transformações biopsicossociais desta fase de desenvolvimento, sendo determinante no aparecimento de perturbações que podem afetar uma vida. Estas perturbações incluem as de natureza emocional, como a depressão e ansiedade, frequentemente associadas à ingestão excessiva de alimentos, automutilações e tentativas de suicídios, comportamentos de risco ao nível do abuso de substâncias e do comportamento alimentar, como sejam dietas altamente restritivas, bulimia e fraca qualidade de vida.

É preciso intervir o quanto antes para lutarmos contra esta epidemia e sensibilizar para todos os problemas associados à obesidade e excesso de peso, entre os quais se destacam as doenças cardiovasculares e diabetes mellitus. Entre as principais causas para os elevados níveis de obesidade estão maus hábitos alimentares, pouca atividade física e comportamentos sedentários.

Assim, a alimentação e o exercício físico são primordiais na resolução de problemas como a obesidade, independentemente da idade. Por isso é importante pensar seriamente nestas duas questões e fazer alguma coisa para promovermos a saúde pública.

É necessário intervir com equipas multidisciplinares no âmbito da modificação comportamental, do aconselhamento nutricional e da prática de atividade física e exercício físico. É necessário adotar um estilo de vida saudável, para além da perda de peso, onde por si só trará inúmeros benefícios para a saúde e para o bem-estar individual.

Com este acompanhamento conseguimos intervir em todas as áreas fulcrais da saúde sendo necessário definir metas razoáveis e reais a longo prazo para que esta doença deixe de ser crónica e consigamos ter uma vida mais saudável.

 

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)

O impacto da alimentação no seu coração!

Diariamente tomamos decisões que determinam a nossa Saúde e em particular a saúde do coração. Os alimentos que ingerimos determinam a qualidade da nossa energia, e uma adequada escolha de alimentos permite manter o nosso coração saudável.

Atualmente, em Portugal e um pouco por todo o mundo, as doenças cardiovasculares representam as principais causas de morte, daí que a importância da alimentação que fazemos e do estilo de vida que levamos tem, cada vez mais, um papel prioritário.

Assim torna-se urgente controlar os fatores de risco, como o colesterol e a tensão arterial elevados, através da redução de gordura e sal das refeições que fazemos ao longo do dia. Também o ajuste do peso corporal é essencial, eliminando a gordura em excesso que se acumula principalmente na zona abdominal – a chamada gordura visceral – que envolve o coração, impedindo-o de funcionar livremente.

De modo a contrariar essa tendência, deve aumentar o consumo dos alimentos tais como legumes, vegetais e fruta, que além de terem um papel fundamental na saúde do coração, ajudam a controlar o apetite e a equilibrar a função intestinal. Pelo contrário, deve evitar os alimentos ricos em gordura, como os produtos de charcutaria e salsicharia, e preferir o peixe e as carnes magras. Os produtos de pastelaria e doçaria podem ter o seu lugar apenas em ocasiões festivas, tal como os refrigerantes e as bebidas alcoólicas. No seu dia-a-dia prefira sempre água!

Também a confeção dos alimentos deve ser feita com pouca gordura, dando preferência ao azeite, evitando os temperos concentrados devido ao elevado teor de sal e gordura. Aprenda a utilizar os legumes e as ervas aromáticas como temperos e tornar as suas refeições muito saborosas!

Por fim, aumente a sua atividade física! A prática regular de exercício físico, além de baixar a tensão arterial e os níveis de colesterol no sangue, ajuda a controlar o apetite e consequentemente o peso.

Faça uma alimentação saudável e dê vida ao seu coração!

 

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)