Artigos

O COVID-19 pode ser transmitido através dos alimentos?

O SARS-CoV-2 (COVID-19) pode ser transmitido através dos alimentos?

Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) não existe, até ao momento, evidência de qualquer tipo de contaminação através do consumo de alimentos cozinhados ou crus.

No entanto, há cuidados a ter na confeção das refeições. Quais são?

• Lavagem frequente e prolongada das mãos (com água e sabão durante 20 segundos), seguida de secagem apropriada evitando a contaminação cruzada (por exemplo, fechar a torneira com uma toalha de papel ao invés da mão que a abriu enquanto suja);
• Desinfeção apropriada das bancadas de trabalho e das mesas com produtos apropriados;
• Evitar a contaminação entre alimentos crus e cozinhados;
• Lavar adequadamente os alimentos crus;
• Evitar partilhar comida ou objetos entre pessoas durante a sua preparação, confeção e consumo;
• Durante a preparação, confeção e consumo adote as medidas de etiqueta respiratória;
• Cozinhar e “empratar” a comida a temperaturas apropriadas.

Podemos reforçar o sistema imunitário através da alimentação?

Não existe nenhum alimento específico ou suplemento alimentar que possa prevenir ou ajudar no tratamento da COVID-19.
No entanto, para garantir o normal funcionamento do sistema imunitário, é necessária uma alimentação equilibrada com a presença de diferentes nutrientes, desde logo os fornecedores de energia (hidratos de carbono, proteínas e lípidos) e vitaminas e minerais (como as vitaminas A, B6, B9, B12, C e D e o cobre, ferro, selénio, zinco) e água. Estão todos na Roda dos Alimentos.

 

 

Autoria:
Rúben Pinheiro
Nutricionista Clínica NirvanaMED

.

Leia mais sobre o papel da nutrição face ao combate ao novo coronavírus COVID-19:

COVID-19: A Alimentação dos idosos deve ser diferente!

Deve ser a alimentação dos idosos diferente?

.
Os idosos são o grupo que apresenta maior risco de doença grave por COVID-19. Segundo a Direção Geral de Saúde, um pior estado  nutricional associa-se a um pior prognóstico e a um risco aumentado de complicações em caso de doença aguda e, consequentemente, está associada a um maior risco de mortalidade.

Como tal, a alimentação dos idosos merece uma atenção especial.

.
Estas são as orientações para a população mais idosa:

.
• Diariamente devem ser consumidas duas porções de leite ou derivados (1 porção de leite = 240ml), nas refeições intercalares.

.
• Devem ser consumidas 2 a 3 porções de fruta por dia (1 porção = 1 peça de fruta média).

.
• Devem ser consumidas leguminosas (por ex. feijão, grão, ervilhas, lentilhas…) pelo menos 3 vezes por semana, por exemplo através da sua adição à sopa.

.
• A sopa de hortícolas deve estar presente nas duas refeições diárias. Uma importante fonte de vitaminas e minerais e que pode contribuir para otimizar o estado de hidratação.

.
• Deve ser incentivado o consumo de carne, pescado e ovos nas duas refeições principais (1 porção por refeição), de modo a assegurar uma ingestão proteica adequada, sendo que o peixe gordo deve consumido com uma frequência de 2 vezes por semana.

.
• O incentivo ao consumo de frutos oleaginosos (por ex. amêndoas, nozes…), para aqueles que não apresentam dificuldades de mastigação deve ser também considerado (1 a 3 vezes por semana).

.
• Considerando a diminuição do apetite que é comum nesta faixa etária e a alteração do paladar, devem ser promovidas refeições frequentes ao longo dia e de menor volume (cerca de 5 a 6 refeições).

.
• A quantidade diária deve variar entre 1,5 a 2 litros de água, no mínimo, o que equivale a cerca de 8 copos de água.

.
Vitamina D: se a não for suficiente a proveniente da alimentação, para garantir o aporte necessário de vitamina D, sobretudo em indivíduos idosos cuja exposição solar seja baixa ou nula, será importante que os idosos possam, dentro das medidas de isolamento necessárias, ter alguns minutos de exposição solar diária. Neste caso, cerca de 20 minutos por dia, pelo menos na face, antebraços e mãos, entre as 12 e as 16 horas.

.

Autoria:
Rúben Pinheiro
Nutricionista Clínica NirvanaMED

.

Leia mais sobre o papel da nutrição face ao combate ao novo coronavírus COVID-19:

A Nutrição e na Doença Oncológica

 

A Nutrição na Doença Oncológica

Todos os dias fazemos escolhas alimentares das quais determinam em grande parte se promovemos a nossa saúde ou doença.
A alimentação assume um papel particularmente importante no cancro, podendo constituir um fator protetor ou de risco.

Certamente, já ouviu falar de alimentos que ajudam a prevenir o cancro, ajudam a remover substâncias cancerígenas e podem inibir o crescimento de células malignas, mas o certo é que não existe uma fórmula chave.
Existe sim um equilíbrio que certamente resulta em ganhos de qualidade de vida.
A relação entre o cancro e a alimentação mediterrânea é amplamente estudada e existe já evidência que comprova os seus benefícios.

Em Portugal, o cancro colorretal surge como o principal agressor para ambos os sexos a seguir ao cancro da mama nas mulheres e ao cancro da próstata nos homens.

relação entre os maus hábitos alimentares e as doenças crónicas está atualmente bem estabelecida.
Não restam dúvidas de que quer a incidência, quer a prevalência de doenças cardiovasculares, cancro e diabetes é muito superior na pessoa obesa e/ou sedentária.
Para comprovar tal efeito, o European Prospective Investigation Into Cancer and Nutrition (EPIC) analisou a relação entre o estilo de vida, a ingestão calórica diária, o comportamento alimentar e a incidência de cancro e chegou à conclusão que existe uma
forte relação entre eles.
Apesar de ser público que vários alimentos aumentam o risco de desenvolver determinadas patologias, subsiste uma indiferença generalizada.

Num dado momento as evidências vêm a publico, tornam-se virais, mas momentos depois são esquecidas e a maioria da população mantém os seus hábitos alimentares, comummente desequilibrados.É necessário agir neste sentido e criar formas de prevenção realmente eficazes e que surtam verdadeiro efeito na população.
Para tal, a população tem de se consciencializar que a alimentação saudável não é para hoje, amanhã e para o próximo mês, porque queremos chegar ao verão com menos quilos.

Marque uma consulta com o nosso nutricionista, e saiba como pode ganhar hábitos alimentares saudáveis, ganhando assim qualidade de vida e prevenindo este tipo de doenças que tanto assolam a nossa sociedade atualmente.

ruben
Rúben Pinheiro
(Nutricionista, C.P. 3248N.)