A presença da Filosofia no nosso quotidiano

Tem ideia de quantas vezes já ouvi questionarem a Filosofia e a sua importância ou finalidade?

Durante séculos a Filosofia era considerada a doutrina. Cabia aos filósofos serem os conselheiros de grandes personalidades da nossa história.
Com o desenvolvimento, a desagregação dos próprios teóricos e outros interesses, começaram a impor-se e a tirar o lugar ao autoconhecimento.

A Filosofia, em suma, seria a busca pela Felicidade. Atualmente, tomamos o caminho para a felicidade por outras vias. Deixamos de nos esforçar, de querer quebrar barreiras. O pensamento deixou de ser crítico para ser reativo. A reflexão perdeu a força e deu lugar à satisfação em massa. Tornou-se difícil saber argumentar, mudar pensamentos e comportamentos para saber agir perante a informação que transborda, deixando de parte a autosatisfação do indivíduo.

Pensar é o que nos define. Está presente no meu e no seu quotidiano.
Não há dia em que não sejamos colocados à prova, obrigados a pensar, refletir e julgar diversas situações de um número de acontecimentos.

A Filosofia surge agora numa reviravolta.
Tornou-se preocupante – grave mesmo – constatar que as nossas crianças, jovens e jovens-adultos não sabem pensar. É cruel admitir, mas é a constatação de um facto que resulta da automatização de tudo o que existe nas suas vidas desde a infância: desde os brinquedos, que surgem digitais, intuitivos, pouco exigindo dos utilizadores; ao acesso à informação rápida e desprovida de qualquer filtro (já não se fazem grandes pesquisas e tão pouco se procuram grandes respostas, mesmo que as encontradas pareçam dúbias),
Estes, quando confrontados com questões que requerem um pensamento mais crítico, alguma reflexão e poder argumentativo, ficam bloqueados.
Esta é uma problemática que não afeta os indivíduos apenas no preciso momento, mas sim em todo o momento das suas vidas.

Acredito no crescimento e desenvolvimento da Filosofia no quotidiano de todos nós. Desde o interesse de incutir a Filosofia nas escolas, junto das nossas crianças, à realização de encontros e cafés filosóficos abertos ao público, para debates de temas que nos representam, que representam a nossa sociedade.
Ao Aconselhamento Filosófico que visa agora proporcionar um acompanhamento individualizado a quem procura orientação sobre as mais variadas questões / problemáticas.

Acredito que os Conselheiros estão a voltar.

 

 

Artigo de opinião por
Catarina Arouca
Licenciada em Filosofia
Mestre em Sociologia
catarina.arouca@nirvanamed.pt