Artigos

baby-215867_1280

Birras?! Socorro!

Lidar com uma birra pode não ser fácil.

Para a criança, a frustração de querer algo que não obtém; para os pais, a vergonha em não saber como controlar uma birra em público.

Em casa? O mesmo dilema: a birra perturba a relação entre a criança e os pais e também entre o casal (um cede à birra e o outro não!).

Este pode parecer um cenário muito negativo, mas retrata o que mais acontece, em privado e em público, com os pais que procuram a nossa ajuda.

Um progenitor acha que é importante não fazer “as vontades” da criança; o outro, desesperado, julga que o melhor é não contrariar para que a criança se acalme, evitando o prolongar da birra.

Em família, os avós dizem uma coisa, os tios dizem outra… Os pais ficam confusos e perdem algum discernimento para gerir um comportamento que não se deseja com regularidade: a birra da criança.

Uma coisa é certa: fazer birras faz parte do desenvolvimento. Em algum momento, com maior ou menor intensidade ou frequência, a criança reagirá com uma birra. Como tal, importa não agir por impulso, conhecer como lidar de modo positivo com esse comportamento e, sobretudo, ensinar à criança formas mais adequadas para comunicar desejos ou expressar desagrado ou frustrações.

No próximo workshop “Birras da Criança” iremos partilhar, de forma prática, simples e concreta, dicas úteis para que pais e educadores possam controlam as birras, demonstrando afeto positivo e modelando o comportamento da criança.

Se não puder estar presente saiba que, nas consultas de psicologia pediátrica, encontra apoio especializado para lidar com as birras.

Para uma birra é apenas uma birra e não tem que ser “um bicho de sete cabeças”.

 

Um abraço (sem birras!),

marco
Marco Martins Bento
(psicólogo clínico e psicoterapeuta)

children-817365_1280

Feliz Dia Mundial da Criança

Dizem que são o melhor do mundo.

Eu acredito que, além de serem o melhor do mundo, poderão transformar este num mundo melhor. São o nosso futuro.

Se queremos um mundo melhor, então, desenvolvamos crianças melhores, educando-as para um sentido de cidadania e possuidoras de valores morais.

É importante refletir sobre o que estamos a ensinar às nossas crianças, que oportunidades lhes asseguramos para que se desenvolvam harmoniosamente, que adultos somos nós e que exemplo lhes damos.

Não esqueçamos nunca que as crianças aprendem por imitação e com base nas experiências que têm. Se formos adultos responsáveis e equilibrados, certamente garantimos que as nossas crianças têm bons modelos para seguir.

A dimensão lúdica, ou seja, o jogo, garante que as crianças brincam e desenvolvem competências relacionais, cognitivas e emocionais.

Por isso, que nunca falte a brincadeira às nossas crianças, assim como oportunidades para que esta aprenda e reflita sobre os seus comportamentos e atitudes, apoiada por adultos capazes de a guiar por uma vida plena e harmoniosa.

 

Neste Dia Mundial da Criança responda às seguintes questões:

 

– As crianças que estão à minha volta são felizes?

– Quando estou com as crianças, passamos momentos de felicidade?

– Passo tempo suficiente e de qualidade com as minhas crianças?

– A brincadeira e o jogo fazem parte do nosso quotidiano?

– Permito que as crianças se desenvolvam adequadamente?

– E eu? Permito-me a expressar e a ouvir a “minha criança interior”?

 

Estou certo que a resposta a estas questões o/a farão refletir e ajudar a ter um Feliz Dia Mundial da Criança.

marco
Marco Martins Bento
(psicólogo clínico e psicoterapeuta)